Dieta


Sódio: Alimentos que você deveria evitar ou reduzir da sua dieta



O sódio é um inimigo invisível, principalmente para quem tem a pressão arterial alta. O sal de cozinha é a principal fonte do elemento na alimentação cotidiana, mas ele se esconde em vários outros alimentos.

De acordo com a médica Fernanda Consolim, do Instituto do Coração, ingere-se em média 12 gramas de sal por dia, o que equivale a 4,8 gramas de sódio.

“Essa ingestão é muito maior do que a necessária para o bom funcionamento do organismo que é até 6 gramas de sal por dia, que equivale a até 2,4 gramas de sódio”.

Para se ter ideia, uma colher de café leva cerca de 5 gramas de sal. Ou seja, quase a quota diária recomendada.

“O consumo de grandes quantidades de sal faz com que pessoas hipertensas apresentem dificuldade na eliminação da substância. Isso porque elas retêm por mais tempo o sódio e a água no organismo, condição que interfere diretamente nos valores da pressão arterial”, explica a cardiologista Fernanda, da Unidade de Hipertensão do InCor.

Mas se faz tão mal, então por que não abolir o sódio dos alimentos de uma vez por todas? De acordo com a professora do curso de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Marise Pollonio, o sabor e a predileção por alimentos mais temperados é o que faz o sódio ainda estar tão presente nas guloseimas. Abaixo, quatro especialistas consultadas pela reportagem comentam alguns dos alimentos que mais possuem sódio e que, portanto, você deveria evitar:

Macarrão instantâneo

O macarrão já foi até pior, mas esse tipo de massa ainda é uma das bombas de sódio. Um pacotinho tem entre 1.600 e 1.700 mg do mineral. O máximo recomendado por dia é de 2.400 mg. Em 2010, havia marcas com mais sódio do que a média diária. “A partir de 2010, no Brasil, acordos entre o Ministério da Saúde com a ABIA (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos), geraram planos e diretrizes para iniciar a redução do uso de sódio em várias categorias de alimentos”, explica Patrícia Botignol, engenheira de alimentos e professora na faculdade Oswaldo Cruz.

Comida congelada

Os alimentos congelados prontos, como lasanhas, estrogonofes e escondidinhos, também reinam no ranking do sódio, com mais de 1.000 mg por porção. A professora e engenheira de alimentos explica que os “conservantes e estabilizantes derivados de sódio e potássio são muito utilizados por garantirem maior segurança no processamento e qualidade do produto final”. Devido aos acordos, algumas marcas lançaram recentemente opções com menos sódio —com 700 mg no pacote para duas pessoas.

Pão francês

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), em acordo com as associações do setor de alimentação, conseguiu diminuir a quantidade de sódio do pão francês. A meta atual é de 289 mg por unidade de cerca de 50 gramas. Em 2011, ano que o acordo foi assinado, os pãezinhos analisados tinham, em média, 320 mg de sódio.

Barras de chocolate

Sempre relacionado ao sal (sua principal fonte), o sódio também pode estar escondido em doces. É preciso ficar de olho nas embalagens dos chocolates, por exemplo. “O chocolate em si não tem sódio, mas ele pode levar recheios e outros componentes que contêm o elemento, mas que não chegam a salgar”, afirma Patrícia. Uma barra grande de chocolate com cookies, por exemplo, tem 215 mg de sódio.

Maionese, mostarda e ketchup

Os conservantes à base de sódio, ainda de acordo com a professora Patrícia, são os mais indicados para a preservação desses molhos, por isso, o alto teor. Além disso, o sódio também é usado para realçar o sabor destes condimentos.

Molho de tomate industrializado

O molho ou extrato de tomate também usa sódio para conservar e realçar o sabor do produto. Duas colheres de sopa têm 5% da quantidade total de sódio recomendada por dia.

Shoyu

Uma colher de sopa de molho de soja tem mais de 900 mg do mineral –quadruplique esse valor ao pensar naquele potinho do rodízio de comida japonesa. No molho de soja light, a concentração de sódio cai para 700 mg, o que não deixa de ser muito.

Refrigerante zero

Os refrigerantes de baixa caloria também possuem o elemento na composição. Um refrigerante zero, por exemplo, tem 28 mg de sódio a cada 200 ml, enquanto sua versão normal tem 10 mg. Uma latinha não causará impacto, mas, ao longo do dia, junto com outros alimentos e o próprio sal de cozinha, o acúmulo passa a ser alto. “Não existe uma quantidade recomendada [isso depende da dieta de cada um]. Mas não podemos recomendar o consumo de refrigerante –mesmo com as bebidas atuais apresentando baixo sódio, não é um produto que agregue qualidade à alimentação”, diz a nutricionista Andrea Guerra, da Universidade Mackenzie.

Fonte: Vida Saudável